A música tem o poder de mudar o nosso humor, e não sou eu que estou dizendo: são os inúmeros estudos sobre o assunto que comprovam. E você também sabe disso, porque mesmo que não seja fã de música, pelo menos uma da sua infância traz boas memórias e te deixa nostálgico. E isso é o quê? Mudança de humor.

Sabendo disso, profissionais especializados em marketing e vendas criaram o Music Branding, uma estratégia que se baseia na música e nos sons para vender mais. Esta é uma das aplicações do marketing sensorial e vamos aprender um pouco mais no post de hoje.

 

Antes do “Music”, o Branding

O primeiro passo para começar a investir na música para aumentar as vendas é entender qual é o conceito da marca e, principalmente, qual é o seu público-alvo. Isso porque assim como no meio empreendedor, existe uma infinidade de tipos de música, e um ritmo que agrada determinadas personas pode não ser o ideal para outras. Veja alguns exemplos:

• Música clássica é melhor do que as mais tocadas da Billboard para vender vinhos porque os clientes que compram ao som desses instrumentais ficam inclinados a adquirir garrafas mais caras.
• Restaurantes que tocam música clássica também vendem mais, mas tem um porém: esse tipo de trilha traz uma sensação de refinamento, remetendo a um alto valor agregado ao produto ou serviço; isso pode afastar pessoas de menor poder aquisitivo.
Por esses motivos é importante avaliar o seu público-alvo e do que ele gosta. Não basta colocar uma caixa de som no PDV e tocar qualquer coisa. Todo ano o Spotify divulga dados interessantes sobre o conteúdo consumido por seus assinantes, por exemplo. Sendo o streaming de música mais assinado pelos brasileiros, com 61,6% dos consumidores, vale a pena conferir.
Você também pode fazer uma rápida pesquisa interna, observando o fluxo de clientes da sua loja. Quais são os perfis? Homens? Mulheres? Qual a idade? Do que eles gostam? Dedique algum tempo do dia para prestar atenção e até mesmo perguntar a eles sobre seus gostos musicais e explique que pretende colocar algumas playlists para tocar na loja. A opinião mais importante sempre é a do seu cliente. Ouça o que ele tem a dizer.

 

O que a música pode fazer por você

• Aumentar as vendas: se você trabalha no varejo, músicas animadas favorecem as compras por impulso, além de elevarem o estado de espírito dos consumidores para o bom humor e a sensação de urgência na compra.
• Ajuda na percepção da marca: se houver mais de uma unidade do seu estabelecimento – no caso das franquias, por exemplo – usar uma mesma playlist, com músicas parecidas, ajuda o cliente a entender quem é a marca e quais são suas características, junto com os outros sentidos – visão, olfato, paladar e tato.
• Equilibra o fluxo de clientes: a música calma deixa o cliente calmo. Música agitada deixa o cliente agitado. Use essa informação para equilibrar a movimentação das pessoas dentro da loja.
• Diminui a poluição sonora: quando bem usado, o music branding ajuda a diminuir sons como conversas entre funcionários, barulhos de fora da loja, entre outros. Mas para isso é bom contar com equipamentos de áudio de qualidade; do contrário, os clientes vão fugir e nem vão saber o porquê.
• O volume também pode ajudar: assim como no caso da poluição sonora, o volume da música pode ser um grande aliado nas vendas. Se você tem uma loja em um local movimentado, como um centro comercial, pode aumentar e baixar o volume de acordo com o movimento a fim de abafar os sons de fora, aumentando o bem-estar do cliente.
• Informativos: ao longo da playlist, assim como os grandes supermercados fazem, você pode incluir spots, que são rápidas locuções com promoções, informativos da loja e outros conteúdos que achar interessantes, como se fosse uma rádio própria. Isso pode influenciar o consumidor a comprar mais.

Lembrando que o music branding não precisa ser só dentro do PDV: é possível criar playlists para datas especiais, ou então com as mais tocadas da loja, para que os consumidores possam ouvir ao longo da própria rotina. Sabendo disso, aqui na Spaço temos o nosso perfil no Spotify, onde sempre divulgamos várias playlists bacanas. Veja clicando aqui. Use essas técnicas e depois conte aqui pra gente se deu resultado!

 

Carol Balduci

Redatora na Spaço